HISTÓRICO Imprimir E-mail

A chegada dos imigrantes italianos à Pinto Bandeira data de 1876. Agricultores, logo iniciaram o plantio para subsistência, cultivando milho, trigo, batata, frutas e hortaliças, com destaque para a cultura da videira, elemento fundamental de sua identidade. Em 1880, segundo informações, já se elaboravam de forma artesanal nos porões das casas, vinhos para consumo da família.

A viticultura se expandiu e, na década de 1930, a organização de cooperativas tornou possível a instalação de uma filial da Companhia Vinícola Riograndense, que muito contribuiu para a disseminação de variedades de uvas para vinhos finos. Esta contribuição tornando-se então uma particularidade de Pinto Bandeira, a existência de no meio rural, que industrializam grande parte da produção de uvas e aportam tecnologias para melhorar a vitivinicultura.

Nos anos 1950, uma importante vinícola escolheu o alto do extenso patamar de Pinto Bandeira, com encostas íngremes e marcadas pelos meandros do Rio das Antas, para a instalação de um campo experimental de uvas viníferas.

Nas décadas seguintes foram instaladas mais vinícolas, que hoje formam a Associação dos Produtores de Vinho de Pinto Bandeira – Asprovinho: em 1965 a Cooperativa Vitivinícola Pompéia; em 1976 a Vinícola Geisse; em 1978 o Centro Tecnológico da Cooperativa Aurora (fundada em 1931); em 1984 a Vinícola Don Giovanni; em 1997 a Vinícola Valmarino e, em 2008 a Vinícola Terraças.

A Asprovinho foi criada em 29 de junho de 2001, tendo em seu quadro associativo produtores de vinho, produtores de uva, pessoas físicas e jurídicas com afinidade aos objetivos da associação, tendo como missão criar oportunidades de bem estar, fomentando ações de desenvolvimento da identidade dos produtos vitivinícolas, de desenvolvimento do turismo e de promoção da imagem de Pinto Bandeira.
As ações da entidade visam buscar, preservar e valorizar a identidade local, respeitando a qualidade de vida das pessoas, com sustentabilidade, profissionalismo e qualidade.

Pinto Bandeira possui identidade territorial e cultural, presente na expressão de sua gente, no cultivo de suas frutas, no desenho da paisagem, mas principalmente no bem estar de compartilhar um vinho Pinto Bandeira.